terça-feira, 14 de agosto de 2018

Sobre a depressão, a ansiedade e a compulsão - Parte 1





Nos últimos anos, têm crescido exponencialmente o número de pessoas que possuem algum quadro de depressão, ou ansiedade ou compulsão.
Antigamente, era raro ouvir falar disso, geralmente se falava quando alguém se suicidava ou surtava e então dizia-se que a pessoa estava em depressão profunda.

Em outros casos, geralmente a depressão era tratada como frescura, ansiedade como ter pressa das coisas e compulsão como falta de equilíbrio ou loucura. Não sou da área de psicologia e nem pretendo fazer deste post algo sobre as doenças, como tratar etc. De modo algum.

Mas, eu gostaria de falar um pouco sobre como, num mundo tão caótico, rápido e conturbado como os de hoje eu tenho lidado com esses três fantasmas que assolam a civilização moderna.

Como já disse, não sou médica, psicóloga ou terapeuta, e nem pretendo solucionar problemas de ninguém. Mas nos últimos tempos, tenho visto pessoas próximas que têm passado por esses problemas e o que mais vejo é que elas não conseguem enxergar uma forma clara de se libertar disso. A maioria se apoia totalmente na medicina, em medicamentos e vai vivendo assim. O discurso geralmente é o mesmo: "eu tenho o problema, e estou tomando as medidas médicas/humanas para resolver, mas é difícil, ainda continuo com o problema".

Minha intenção aqui é colocar estes problemas emocionais/psicológicos em um nível inferior ao nosso. Sim, somos seres intelectuais dotados de força mental e podemos combater esses problemas. Nossa mente é um campo de batalha e sempre, até o fim de nossa vida haverão sentimentos, pensamentos e pressões para lidarmos. Então, como viver sem de algum modo transpor isso de uma vez por todas?

Não quero dizer que não devamos buscar ajuda médica ou terapeutica. De forma alguma. Eu mesma procuro quando necessário. Mas sempre percebo que quem é meu maior apoio sou eu mesma e minha capacidade de resolucionar o que o especialista me orienta a fazer.

Depressão

Bem, o que vou escrever não é pra quem já se encontra em um estado de depressão profunda. Para isso recomendo duas coisas: buscar ajuda médica e espiritual (como cristã aconselho procurar uma igreja protestante séria mais próxima de você, ou conversar com alguém confiável que cultive um relacionamento com Deus como um pastor que você conheça, um líder de pequenos grupos, ou aquela "irmã de oração").
Falo pra você que, vez ou outra se pega com pensamentos depressivos e que, se não pará-los agora, mais cedo ou mais tarde, eles podem sim vir a se tornar mais do que ocasionais, mas permanentes.
No livro "Conexões para a Vida" de Curt Thompson, que é um psicanalista cristão, ele relata que a depressão é como se o cérebro se perdesse em um lugar de onde não consegue mais voltar.
Logo, tudo começa com o cultivo dos pensamentos e atitudes depressivas. Se sentir inferior, sentir vontade constante de estar sozinho, se sentir angustiado com frequência, triste. Nessa etapa é totalmente possível lutar contra seus pensamentos. Nossa mente é nossa alma e nós podemos dar a ela uma ordem.
O Rei Davi fez isso no Salmos 42, onde diz "por que está aflita, ó minha alma? Tenha esperança em Deus, pois ainda irei louvá-lo". Aqui vemos um exemplo de um homem que, num momento de profunda angústia, traz à memoria as boas lembranças, as conquistas e a fé em Deus, ordenando a si mesmo que se aquiete e se acalme.
No início parece difícil, mas é como qualquer novo hábito a ser adquirido, como treinar na academia. Quanto mais você insiste em treinar mais fácil os exercícios se tornam, gradualmente. Do mesmo modo, quanto mais você treinar a sua mente para dizer não aos maus pensamentos, mais ela aprenderá o caminho para pensar no que é bom, para clarear as idéias.
Na maioria das vezes, os problemas não são tão grandes assim. Tá, você pode me listar um monte de  traumas, problemas, situações ruins que você possa ter passado e me dizer "Olhe só para a minha vida! É muito triste e miserável!" ou "Eu nunca tenho sucesso em nada", etc..
Mas ainda assim, quando você se der conta de que estar vivo é muito bom, de que a graça de respirar é mesmo um presente (sendo redundante, sorry), ainda que pareça clichê, você notará que é muito forte e pode superar qualquer coisa!

Você e eu não fomos criados para choramingar pelos cantos, viver de falsos ou nenhum sorriso. Somos criação de um Deus apaixonado, criativo e proposital! Sim, há propósito em tudo o que ele criou e, no início, após ter criado tudo ele mesmo disse "Ficou muito bom!".
Infelizmente o ser humano se deteriorou quando desobedeceu ao Criador e então hoje andamos como indigentes, sem ter a menor noção de quem somos.
Logo, pensamentos como "ninguém te ama", "ninguém se importa de verdade com você" se apossam facilmente de nossas mentes.
Mas ele nos deu um intelecto semelhante ao dele capaz de vencer essa luta interior e dizer "sim, eu sou amada e sou importante"!
Quando você abrir os olhos para tudo o que está diante de você e adiante (não em seu passado de dor, fracasso, rejeição, tristeza ou até mesmo monotonia), verá como é simples viver essa verdade e dominar os maus pensamentos.

Dicas para expulsar as sementinhas do mal:

1. Consuma bons conteúdos

Somos corpo, alma e espírito. Nossa mente, como já disse, é nossa alma (segundo a teologia cristã, somos seres triunos, assim como nosso Criador). Logo, assim como alimentamos nosso corpo com comida e nosso espírito com a oração, por exemplo, é preciso alimentar nossa alma com boas coisas.
Se afaste de coisas que te remetam a lembranças ruins. Se isso está muito difícil, procure um psicólogo que possa te ajudar a vencer esses traumas e dores, e assim aos poucos sua mente dará espaço para viver novas e belas experiências que estão à sua espera.
Leia bons livros que falem de coisas boas, estimulem o cérebro e o bom humor. Assista bons filmes, nada de coisas de conteúdo baixo ou muito violento. Há filmes que falam diretamente ao nosso ser e nos despertam a refletir sobre a vida de maneira construtiva, como "A procura da felicidade", "O Rei do Show", "7 Minutos Depois da Meia-Noite", "De repente 30", "Larry Cronwe - O amor está de volta" entre outros dramas legais. Mas você pode ir em outros de sua preferencia que te ponham pra cima e mostrem perspectivas de superação.
O mesmo para músicas. Dá um tempo naquela playlist de sofrência, por favor!

2. Pratique algum hobby e/ou esporte

Você estará cuidando do corpo, no caso do esporte, mas também da alma, pois ocupa a mente e libera substâncias que combatem quimicamente aquele "bad mood" e faz você se sentir mais valente e preparado para os desafios da vida.
No caso do hobby, geralmente, por ser algo que gostamos muito, nos desperta também boas sensações e até mesmo boas lembranças. Não exite em experimentar algo novo também!
Um bom modo de aproveitar o tempo só, se for o teu caso. Dependendo do esporte/hobby, uma boa oportunidade de fazer novas amizades!

3. Como citei no 2, ocupar a mente.

Ocupar a mente é essencial! Quem sabe não é a hora de começar aquele curso tão adiado, fazer aquela viagem, ler ou escrever aquele livro. Procure algum amigo/a que não veja há muito tempo que esteja disponível para um simples café. Se curte redes sociais, procure seguir paginas e pessoas que publiquem conteúdos que sejam favoráveis a esse tempo de "desfossa". Pessoas que postem reflexões bíblicas, ou videos de auto-ajuda por exemplo. O youtube está recheado de gente boa falando coisa agradável. Ah, vale também aquela página de memes humorísticos, afinal, rir é o melhor remédio, não é mesmo?

!!! Cuidado sempre para não cair na compulsão nem na ansiedade nas dicas 2 e 3. Sobre esses dois falarei nos próximos posts.


Dica final:

Indico o livro Pensamentos Poderosos - Joyce Meyer

E LEMBRE!! 
Tá difícil demais de vencer sozinho?
Procure ajuda de um profissional! Busque a Jesus!


Espero que tenham curtido e possa ter te ajudado a enxergar que há sempre um jeito de sorrir de novo!
Até mais!!

Curtam ... Aquelaqueescreve
Sigam... @aquelaqueescreve

byPIU

segunda-feira, 4 de junho de 2018

Ele está contando tudo



Pode até parecer as vezes que algumas coisas estão fora do controle. Talvez de fato estejam, mas do nosso, não de Deus.
São tantas fases, estações, e as vezes me pego percorrendo tudo que já vivi, cada história, cada momento.
Alguns marcaram tanto que pareciam que jamais iriam deixar de serem vividos dentro de mim. Certas situações pareciam que iam fazer parte de mim para o resto da vida.
Mas não. Elas de fato me ajudaram a ser quem eu sou. Na verdade, Deus fez e faz toda situação contribuir para o meu crescimento.
Mas não podemos viver no passado, ou basear nossas expectativas e sonhos do futuro nas coisas que já aconteceram. Há sempre algo novo para se viver. Há sempre um renovo.

Tudo o que passou está sendo contado, registrado e computado no céu. Nada se perde aos Seus olhos. Ele observa, perscruta, escuta cada oração. A gente até esquece, mas Ele não.
E a questão toda é que, quando perdemos o controle, quando a circunstancias não ajudam em nada, temos a tendencia a querer dar um jeito.
A gente sempre acha que é com a gente que está a bola, que somos nós que devemos prover a solução. Por mais que digamos ter fé, queremos fazer algo a respeito da situação, como se isso de fato ajudasse ou nos fizesse sentir melhor.

Porém não há absolutamente nada melhor a fazer do que simplesmente descansar e acreditar, nas mais improváveis promessas de Deus. Sempre valerá a pena entregar e deixar.
Sim, entregar e seguir no amor, na paz, na alegria.Pode ser que te achem meio bobo por acreditar tanto, achem que você não entende da vida ou que vive em outra realidade.
De fato, quando entendemos o que é andar por fé, a realidade é outra. Há uma chama diferente no coração. Há uma luz intensa nos olhos. Há uma paixão por algo maior que nos move pra além das necessidades terrenas.

É belo. É forte. É intenso.
Como quem sonha, a gente segue cantando, "e Deus nos abraçando"... (parafraseando o @palavrantiga). Meio que parecendo mesmo tolos, mas na verdade, caminhando na sabedoria, a tão valiosa sabedoria que louva a quem a encontra! Que faz a gente passar de nível, passar de fase e, finalmente, viver o tempo aceitável, agradável, pleno e perfeito do Senhor!

Quem faz acontecer não é você. Por outro lado, não se culpe se tens andado errante até aqui, se tens sido dominado pela ansiedade e seu foco tem sido as necessidades. Há sempre uma nova chance de fazer certo e dar certo.
Segue com fé. E vamos viver a nova estação, o novo tempo. O que passou, passou.
Eu não sei você, mas eu já não sou mais a mesma. Então pra quê ainda viver no mesmo, se o ontem é preparo pro hoje, o amanhã maior ainda será.

Valentes parecem loucos. Sonhadores parecem tolos. E os que esperam em Deus, os que semeiam sementes chorando, percorrendo um caminho longo entre lágrimas, ah, parecem abandonados, esquecidos, estéreis e sem esperança.

Não te contaram que são estes os que voltarão com alegria, pelo mesmo caminho, cantando trazendo em suas mãos, em seus ombros e cestos, tudo o que colheu! É só aguardar o passar das estações, o passar das fases, o tempo da colheita chegar.

Lembre-se: Ele está contando tudo. Tudo está, não friamente, mas amorosamente calculado.

byPIU

sexta-feira, 20 de abril de 2018

A decisão de amar


Verdadeiramente o amor não pode ser um sentimento. O primeiro mandamento é "Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, com toda a sua força e entendimento" Deuteronómio 6.5. 
Se amar fosse um ato de sentir, não poderia ser um mandamento. Pois como se obriga alguém a sentir alguma coisa? Amar é uma decisão, de fato. 
Pois quando decidimos por seguir a Deus e obedecer os seus mandamentos decidimos amá-lo. Jesus disse "Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, este é o que me ama". Logo, decidimos aceitá-lo, recebê-lo em nosso coração e, por conseguinte, obedecer os seus mandamentos. Essas decisções por fim, culminam numa só: Amar a Deus. 
Mediante essa forte decisão, o Espirito nos conduz a arder em paixão por Ele, queimar de amor, como na poesia do livro de  Cantares a noiva arde por seu noivo. O Espirito nos leva a viver e sentir sim o calor do amor, nosso coração palpita, sorrimos a toa, olhos brilham e aos poucos percebemos que podemos dar até mesmo nossa própria vida por Cristo. Nossa decisão mental torna-se então o anseio de nossa alma, pois nosso espírito está conectado ao Senhor, obedencendo suas palavras e amando seus preceitos. 
Nessa etapa que é possível dizer "seus mandamentos não são pesados" (1 João 1.5), "como amo a tua lei!" (Salmos 119:97) ou ainda, "que eu me torne como morto, como os que descem a cova sem tua presença" (Salmos 28.1).
E a decisão de amar cabe a nós. 
Em obediência. Amar é sim, obrigatório (amar a Deus, a si mesmo e ao próximo). E a consequência da obediência a este mandamento, é termos dentro de nós um espírito semelhante ao do Pai. Sim, semelhantes a Ele , como previsto na criação, no Plano original. O Amor nos torna um com Deus, nos torna parecidos com Ele. E esse é o alvo da nossa existência, a razão do nosso respirar, o por quê de estarmos aqui.
E quando o homem vive o que foi criado pra viver, ele se torna enfim pleno. 

Quer ser completo? Decida amar.

ByPiu